BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Setembro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Portas quer Negócios Estrangeiros, Administração Interna e uma pasta social

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

06062011

Mensagem 

Portas quer Negócios Estrangeiros, Administração Interna e uma pasta social




O dia seguinte. Três para ti e o resto para mim

Portas quer Negócios Estrangeiros, Administração Interna e uma pasta social


O resultado eleitoral ditou o peso de PSD e CDS-PP no próximo governo
de coligação. Com um executivo com menos ministros, o partido de Paulo
Portas dificilmente poderá ambicionar mais do que três ministérios. A
pasta dos Negócios Estrangeiros deverá ser cedida a Paulo Portas. O
deputado Nuno Magalhães terá lugar na Administração Interna, pelo menos
como secretário de Estado, e a Bagão Félix deverá estar reservada uma
pasta “social”, provavelmente a que une a Saúde à Segurança Social. Há
quem acarinhe no CDS-PP a ideia do regresso de Pires de Lima às lides
políticas. O nome é visto como o ideal para a Economia. Era, ainda
assim, necessário que o presidente da Unicer quisesse abandonar a vida
empresarial (o que é pouco certo) e que o PSD não impusesse o economista
Daniel Bessa para a pasta. Quanto à Agricultura, a pasta é muito
defendida pelo líder centrista, mas – na verdade – não há ninguém com
perfil pronunciado no CDS-PP para a assumir.

A solução governativa de Passos Coelho passa por dez ministros, o
CDS-PP aponta para doze. Apesar disto, o líder laranja já referiu que o
organigrama do governo também está dependente do partido com que terá
de negociar.

Há pelo menos dois pontos críticos num futuro entendimento. A
fusão da Justiça com a Administração Interna defendida pelo PSD não
agrada de todo a Paulo Portas. O líder do CDS-PP também prefere um
Ministério da Agricultura autónomo do Ambiente, apesar de – neste ponto –
ter abertura para ceder. A fusão da Saúde com a Segurança Social
anunciada por Passos Coelho chegou a ser estudada pelos centristas, que
consideram que este não era o timing ideal para a união de dois
super-ministérios.

O PSD marcou para hoje uma reunião da Comissão Política Nacional
(CPN), na qual Passos Coelho deverá pôr o partido nas mãos do
secretário-geral, Miguel Relvas. Já no CDS-PP, a nova figura do
presidente da comissão executiva passará a ser uma realidade com a ida
de Paulo Portas para o governo. Assunção Cristas é um dos nomes
apontados, caso a deputada do Orçamento não tenha lugar no futuro
executivo na área da economia. João Rebelo é igualmente visto para tomar
conta do partido na ausência de Portas.

As próximas duas semanas serão de negociação. Em 2005, Durão
Barroso demorou 19 dias a tomar posse à frente do governo de coligação
com o CDS-PP de Paulo Portas. Passos e Portas têm a pressão das metas do
memorando da troika e deverão encurtar os prazos.

CDS-PP

Paulo Portas
Já assumiu que a pasta que mais lhe
agrada é a dos Negócios Estrangeiros. Ainda assim Passos Coelho poderá
querer ter sob a sua tutela os assuntos comunitários, o que esvaziava um
pouco os poderes de Paulo Portas. A criação da figura de
vice-primeiro-ministro é falada entre os centristas, mas é uma
possibilidade muito remota.

Pires de Lima
Dentro do CDS-PP é acarinhado para
ministro da Economia, mas poucos acham que está disponível para
abandonar a direcção da Unicer. A critica que fez aos “barões” do PSD,
garantindo que não estariam disponíveis para aceitar um cargo no governo
de Passos Coelho, fez reacender algumas esperanças sobre a sua própria
disponibilidade. Era necessário, ainda assim, que o PSD aceitasse ceder
esta pasta ao CDS-PP. O que, provavelmente, não irá acontecer.

Nuno Magalhães
O líder centrista avisou o
deputado durante a campanha que terá de estar disponível para assumir
responsabilidades. É o nome forte do CDS-PP para a Administração
Interna. Este será um ponto de atrito entre o PSD e o CDS-PP, com os
sociais- democratas a quererem juntar Justiça e Administração Interna.

Bagão Félix
É visto, tanto pelo PSD como pelo
CDS-PP, como um bom nome para uma pasta social. Se o organograma
governativo de Passos Coelho se mantiver, Bagão poderá ter a seu cargo
tanto a Saúde como a Segurança Social. O CDS-PP acha arriscada esta
junção neste momento, apesar de a ter estudado.

Assunção Cristas
Central na discussão do Orçamento do Estado de 2011, é vista como uma
possibilidade para uma pasta económica, como por exemplo secretária de
Estado do Tesouro. Ainda assim, se não for para o governo, Assunção
Cristas poderá ter um papel mais importante no CDS-PP na ausência de
Paulo Portas.

PSD

Passos Coelho
Com um governo reduzido, Passos
Coelho deverá chamar à sua tutela diversas áreas. Para já está
confirmada a Cultura, mas também é provável que o primeiro-ministro
queira ter sob a sua alçada os assuntos comunitários (que podem sair da
pasta dos Negócios Estrangeiros). No PSD, fala-se ainda de uma
Secretaria de Estado das novas gerações, mais abrangente que a actual
Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto.

Daniel Bessa
É o nome apontado pelo PSD para
ministro da Economia. Foi ministro da Economia, Indústria, Comércio e
Turismo do XIII governo constitucional, liderado por António Guterres,
durante menos de um ano. O economista tem tecido duras críticas ao
executivo de Sócrates e fez parte de alguns dos grupos de trabalho que
colaborarem com o líder do PSD.

Nuno Crato
É o primeiro nome de que se fala
para o ministério da Educação e do Ensino Superior (que ficarão juntos).
Ainda assim, não é certo que este catedrático queira abandonar o cargo
de presidente executivo do Taguspark e o PSD tem outros nomes na
algibeira.

Joaquim Azevedo
É também um nome possível para a
pasta da Educação e do Ensino Superior. O antigo secretário de Estado de
Cavaco Silva tem uma visão minimalista do Ministério da Educação, que
deve ser, na visão do especialista, uma agência de apoio às escolas e
uma agência de avaliação.

José Manuel Canavarro
O cabeça-de-lista do PSD por Coimbra deverá ter um papel importante
no próximo governo na área da educação. José Manuel Canavarro é
ex-secretário de Estado da Educação e foi o autor do programa do PSD
para a área da educação.

Miguel Macedo
O até agora líder da bancada parlamentar laranja jura a quem o quiser
ouvir que não está disponível para ir para o governo. Ainda assim, tem
sido muito pressionado pela cúpula do partido para aceitar a pasta dos
Assuntos Parlamentares que será fundida com a Presidência. Macedo não
deverá apenas levar a noiva ao altar, terá de ficar para o casamento e a
Defesa é ainda uma possibilidade.

Jorge Moreira da Silva
A amizade de Passos
Coelho por Jorge Moreira da Silva é sobejamente conhecida. Foi ao
vice-presidente do PSD que deixou a liderança da juventude laranja
quando saiu. Jorge Moreira da Silva é muito bem visto para uma pasta de
Ambiente e de Ordenamento do Território, que na orgânica do PSD terá
também a Agricultura. É preciso que Jorge Moreira da Silva queira
abandonar a ONU.

Euardo Catroga
Acompanhou as negociações com a
troika e é o nome mais bem posicionado para ministro das Finanças. Ainda
assim Passos Coelho já assumiu que irá criar um grupo de trabalho para
acompanhar a execução das medidas e que estará em contacto directo com o
primeiro-ministro.

Vítor Bento
O conselheiro de Estado de Cavaco
Silva é uma solução acarinhada para a pasta das Finanças, depois de
Eduardo Catroga ter feito declarações em público que constrangeram a
direcção laranja. Ainda assim é visto como uma possibilidade remota.

Fernando Negrão
Tem feito nos bastidores um
trabalho regular junto das polícias e é um nome acarinhado, por exemplo,
por Ângelo Correia para a pasta da Administração Interna. A
perseverança poderá ter sensibilizado Passos Coelho, estando Negrão bem
posicionado.

Aguiar-Branco
Em privado, tem garantido que não
aceita a pasta da Justiça, que no organograma do PSD é fundida com a
Administração Interna. No PSD, é quase garantido que Passos Coelho não
irá deixar de fora do governo o adversário das últimas directas. Se
recusar a justiça, a Defesa também poderá ser uma alternativa para
Aguiar- Branco, que está disponível para governar.

Paula Teixeira da Cruz
A vice-presidente do
PSD é um dos nomes apontados para a Justiça, mas a junção da pasta com a
Administração Interna pode inviabilizar esta solução. Do lado do
CDS-PP, o cabeça-de-_-lista por Santarém, Filipe Lobo d’Ávila, é um nome
forte na área da justiça.
Marques Mendes
A actual direcção
gostaria que o antigo presidente do partido voltasse ao executivo.
Mendes é visto como um bom nome para fazer a ponte com o CDS-PP no
governo e também é falado entre as hostes laranjas para a Defesa. É
preciso que ele também queira.

Carlos Moedas
Foi o braço direito de Eduardo
Catroga nas negociações com a troika. O cabeça de lista por Beja deverá
fazer parte do grupo de trabalho de execução do programa do troika que
Passos Coelho irá criar e é apontado para um secretaria de Estado na
órbita das Finanças.

Miguel Relvas
O secretário-geral do PSD não
quer ter pastas governativas e deverá ficar no partido e assumir o lugar
de deputado. Hoje, o PSD tem reunião da Comissão Política Nacional e
Passos Coelho deverá fazer a passagem do testemunho. No entanto, é de
relembrar que Relvas também não queria assumir o cargo de
secretário-geral do PSD depois das últimas directas.

Fernando Ruas
O presidente da Associação Nacional
de Municípios e autarca de Viseu há muito que ambiciona uma pasta
governativa que esteja ligada ao ordenamento de território. Uma espécie
de Ministério do Planeamento, que tenha em si a gestão dos fundos do
QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional). Porém, com a fusão de
ministérios preconizada por Passos Coelho dificilmente Ruas será
ministeriável.

Francisco José Viegas
O independente eleito
por Bragança é apontando para assumir a Secretaria de Estado da Cultura,
que ficará sob a tutela do primeiro-ministro. Neste ponto, PSD e CDS-PP
estão de acordo e a cultura descerá de divisão e deixará de ter
ministério.

http://www.ionline.pt/conteudo/128555-o-dia-seguinte-tres-ti-e-o-resto-mim


avatar
BTBRAVO
2º COMANDANTE
 2º COMANDANTE

PAÍS :
MENSAGENS : 6247
LOCALIZAÇÃO : Lisboa
EMPREGO : BRIGADA DE TRÂNSITO
INSCRIÇÃO : 05/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

Portas quer Negócios Estrangeiros, Administração Interna e uma pasta social :: Comentários

avatar

Mensagem em Ter 7 Jun 2011 - 9:23 por MEO

Pois, pois... agora que já têm tacho será que se lembram da nossa luta ?

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Ter 7 Jun 2011 - 15:59 por bota alta

Espero não ficar desiludido com o deputado Nuno magalhães, que tem defendido a nossa causa até agora. A ver vamos.

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 8 Jun 2011 - 5:52 por solamente

vamos aguardar novidades nao vamos entrar ja por ai ....

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem  por Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum