BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Agosto 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




NOTICIAS DA GREVE DOS TRANSPORTES DE MERCADORIAS 2011

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

12032011

Mensagem 

NOTICIAS DA GREVE DOS TRANSPORTES DE MERCADORIAS 2011




Camionistas paralisam às 00h00 de segunda-feira

As associações representantes de transportadores de mercadorias e passageiros que se reuniram este sábado em Pombal decidiram convocar uma paralisação para as 00h00 da próxima segunda-feira, revelou o presidente da Associação de Transportadores de Terras, Inertes, Madeiras e Afins (ATTIMA).
Pedro Morais apelou para que os camiões fiquem parados nos parques durante a iniciativa de contestação.
O responsável falava aos jornalistas após uma reunião destinada a apresentar os resultados das negociações com o Governo para a obtenção de medidas de apoio ao sector.
No encontro estiveram também representantes das associações Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), Nacional de Transportes Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), Portuguesa de Operadores Expresso (APOE) e Rodoviária de Transportadores Pesados de Passageiros (ARP).
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/camionistas-paralisam-as-00h00-de-segunda-feira



focazero@hotmail.com
SOMOS A SOLUÇÃO NÃO O PROBLEMA = BT ATÉ MORRER
avatar
focazero
GENERAL
 GENERAL

PAÍS :
MENSAGENS : 521
LOCALIZAÇÃO : Portugal
INSCRIÇÃO : 21/04/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

NOTICIAS DA GREVE DOS TRANSPORTES DE MERCADORIAS 2011 :: Comentários

avatar

Mensagem em Ter 15 Mar 2011 - 23:25 por micro_fz

Governo e transportadoras chegaram ontem a acordo, colocando um ponto final na paralisação dos camionistas.



A introdução de descontos nas ex-Scut e o fim da exigência do pagamento de uma caução para os motoristas que excedem o número legal de horas de condução - contabilizado mesmo quando não estão em movimento - são duas das medidas que levaram as associações do sector - ANTRAM, ANTP e ATTIMA - a pôr fim ao protesto.

"O Governo compromete-se a introduzir descontos no pagamento de portagens no âmbito das Scut (...) admitindo-se descontos até 10% no período diurno e 25% no período nocturno", lê-se. "Está garantido um desconto médio de 13%", disse ao CM Pedro Morais, da ATTIMA. Sobre os combustíveis, o Executivo admite "estudar soluções de natureza não fiscal para minorar o impacto dos aumentos". Também a subida dos custos (que até Fevereiro era de 20%) será repercutido nos fretes a cobrar aos clientes. Os motoristas concentrados na região de Leiria mostraram-se descontentes com o acordo, que "só beneficia os grandes transportadores".

http://www.cmjornal.xl.pt/noticia.aspx?contentID=93F7444D-81EB-4207-8DE9-5E792F94C746&channelID=00000021-0000-0000-0000-000000000021

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 16 Mar 2011 - 1:53 por BTBRAVO

Pesados vão ter desconto nas Scut até 25%

O acordo entre o governo e as associações do sector prevê descontos nas portagens de todas as Scut que podem chegar a 25% durante a noite.


Os transportes pesados vão ter descontos nas portagens de todas as Scut que podem chegar até 25% durante o período nocturno. De dia, os descontos chegam até 10%.

Este é um dos pontos do acordo finalizado esta noite entre o Ministério das Obras Públicas e três associações do sector e que deverá pôr fim à paralisação nos transportes pesados.

Outra reivindicação conquistada é a criação de um indíce que permita reflectir nos preços dos fretes os aumentos de custos, em particular com combustíveis. O sector conseguiu ainda deduzir os custos com o gasóleo no IRC até 140%.

De fora deste acordo ficou qualquer medida com impacto directo no preço do gasóleo, embora o governo se comprometa a estudar soluções de natureza fiscal para minorar os impactos negativos dos sucessivos aumentos do preço do combustível.

Foram ainda acordadas medidas relativas ao pagamento de coimas, legislação laboral e alteração do imposto de circulação, com isenções em caso de abate de veículos.Serão também criadas medidas legislativas que promovam processos de fusão e concentração entre as empresas do sector.

A aprovação e calendarização destas medidas ficarão consagradas em resolução de Conselho de Ministros já esta semana. As associações ANTRAM, ANTP e ATTIMA, comprometem-se a levantar a paralisação que arrancou na madrugada de segunda-feira.

http://www.ionline.pt/conteudo/110743-pesados-vao-ter-desconto-nas-scut-ate-25

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 16 Mar 2011 - 2:10 por BTBRAVO

Transportes: Camionistas desmobilizam do Carregado após acordo
16 de Março de 2011, 07:38

Os transportadores que se concentraram no Carregado, Alenquer, disseram hoje que concordam em parte com o acordo e vão cancelar a paralisação, apesar de não terem obtido qualquer ganho em relação à redução do valor dos combustíveis.

“Não fiquei totalmente satisfeito com o acordo, porque não resolve o problema do gasóleo, mas estou disponível para desmobilizar” após a assinatura do acordo entre as associações dos transportadores e o Governo, afirmou à agência Lusa Carlos Morais, empresário.

José Zeferino, proprietário de uma empresa com dois camiões, disse à Lusa que também concorda com o acordo, do qual sublinha a vitória em relação ao aumento anunciado do preço do transporte.

“Vou acreditar no acordo e cancelar a paralisação”, disse.

“Não havia hipótese para negociar mais nada do que o que foi conseguido no acordo, porque não houve cedência em relação ao gasóleo, por isso sou obrigado a voltar ao trabalho”, afirmou à Lusa por seu turno Joel Graça, dono de uma empresa com quatro camiões.

Pela mesma opinião, Hélder Carvalho, proprietário de três camiões, mostrou-se a favor do acordo, sublinhando que foi um ganho a medida alcançada de não permitir efetuar transportes abaixo do preço de custo e disse que iria desmobilizar do protesto.

António Palmeiro, camionista numa empresa de transportes, referiu à Lusa que “se as associações assinaram o acordo as empresas não têm outra hipótese senão acabar a paralisação”.

Vários transportadores mostraram-se descontentes com o facto de o acordo ter sido alcançado com as associações do setor, sem a aprovação dos empresários, mas mostraram-se a favor da desmobilização do protesto uma vez que o acordo já tinha sido assinado.

SAPO/Lusa

http://noticias.sapo.pt/info/artigo/1137330.html

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 16 Mar 2011 - 10:16 por COMANDANTE GERAL

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 16 Mar 2011 - 10:27 por COMANDANTE GERAL

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qui 17 Mar 2011 - 2:46 por BTBRAVO

Camionistas: Fórmula terá em conta a evolução dos combustíveis
Custo dos fretes ligado ao gasóleo

O Instituto da Mobilidade vai disponibilizar no site, a partir de Junho, um preço indicativo dos fretes de transporte de mercadorias, a partir de uma fórmula que tem em conta o preço diário do gasóleo. O mecanismo, que resulta do acordo assinado terça-feira entre o Ministério das Obras Públicas e as três associações de transportadores, estará acessível aos clientes, apurou o CM.

Camionistas: Fórmula terá em conta a evolução dos combustíveis
Custo dos fretes ligado ao gasóleo

O Instituto da Mobilidade vai disponibilizar no site, a partir de Junho, um preço indicativo dos fretes de transporte de mercadorias, a partir de uma fórmula que tem em conta o preço diário do gasóleo. O mecanismo, que resulta do acordo assinado terça-feira entre o Ministério das Obras Públicas e as três associações de transportadores, estará acessível aos clientes, apurou o CM.

Um transportador ou cliente poderá ter assim um preço de referência para uma entrega de mercadorias, por exemplo, a 300 km, explicou ao CM fonte do sector. O preço indicativo resulta da aplicação de uma fórmula que tem em conta o preço médio do gasóleo em Portugal num determinado dia, a partir da base de dados da Direcção-Geral de Energia, bem como os factores de custo da actividade. A fórmula deverá ser definida por um grupo de trabalho.

Este mecanismo é semelhante ao acordado com os transportadores rodoviários de passageiros, que tem em conta a média do preço do gasóleo e que é aplicado a cada seis meses. Este preço indicativo permitirá ainda a intervenção da Autoridade da Concorrência em caso de dumping (venda abaixo de custo).

Pedro Morais, líder da Attima e um dos rostos do protesto dos camionistas, que ontem terminou, admite que "as empresas possam a qualquer momento lançar as suas despesas e determinar se estão a trabalhar abaixo do preço de custo" do serviço. E reconhece ainda que o mecanismo favorece sobretudo as empresas de pequena e média dimensões.

DESILUDIDOS COM O ACORDO

O acordo firmado entre o Governo e as associações de transportadores não agradou a muitos dos empresários do sector. "Foi quase uma cópia do acordo conseguido em 2008, com mais alguns itens. Como o outro não chegou a ser cumprido na íntegra, vamos ver se é desta. Mas esperávamos mais", disse ontem ao CM um empresário da Região Centro. Segundo o responsável, os transportadores estavam esperançados em "conseguir anular" a cobrança de portagens nas Scut quando avançaram para a paralisação. O que não aconteceu.

Entretanto, a empresa Transportes Paulo Duarte, de Torres Vedras, apresentou queixa-crime na GNR por alegada tentativa de homicídio de um motorista. Na terça-feira, um camião da empresa foi baleado quando circulava na A8, entre Bombarral e Caldas da Rainha.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/politica/custo-dos-fretes-ligado-ao-gasoleo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem em Qui 17 Mar 2011 - 10:28 por JUSTICEIRO

Deixaram-se aldrabar...mais uma vez!

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Sex 18 Mar 2011 - 5:30 por BTBRAVO

Motoristas em greve na Azambuja


Não posso estar de acordo com os famosos “piquetes” de grevistas em frente aos parques logísticos e nas rotundas dos principais centros de distribuíção. Além de não respeitarem os que querem trabalhar – e em alguns casos aqueles que não têm outra hipótese senão trabalhar – ainda são violentos e agressivos. A polícia tem muitas vezes de perder dias inteiros para acompanhar estas situações e a Brigada de Trânsito de escoltar os camiões para os parques de carga e descarga. Quanto é que isto custa ao país? Que os motoristas se manifestem tudo bem, agora deixem trabalhar quem precisa e não tem outra hipótese. Não entendo como se podem fazer barbaridades aos condutores, como atirar pedras, esvaziar pneus e furar tudos de gasóleo. Estes comportamentos bárbaros só fazem com que o Governo tenha mais pretextos para não ceder às reivindicações.

http://semanal.omirante.pt/index.asp?idEdicao=487&id=72956&idSeccao=7888&Action=noticia

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Sex 18 Mar 2011 - 5:32 por BTBRAVO

PJ investiga tentativa
de homicídio de camionista


A Polícia Judiciária está a investigar uma alegada tentativa de homicídio de um motorista da empresa Transportes Paulo Duarte, depois de uma queixa apresentada na GNR pelo administrador daquela entidade. O camião foi atingido com uma bala no segundo dia da paralisação dos camionistas, quando circulava na auto-estrada A8 (Lisboa/Leiria), na zona entre Bombarral e Caldas da Rainha.
“Tentaram ontem (terça-feira passada) assassinar um funcionário meu, ao disparar uma bala que entrou do lado do condutor e saiu pelo vidro do outro lado”, afirmou à agência Lusa José Paulo Duarte, administrador da empresa Transportes Paulo Duarte. O empresário sublinhou que a bala foi disparada “com o intuito de matar”, ao atingir a cabine do camião e ter passado “a um palmo da cabeça do condutor”. “A bala fez um buraco maior que uma moeda de dois euros”, disse o empresário e ex-presidente da Associação Nacional de Transportes Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), adiantando que os inspectores estiveram nas instalações da empresa, em Torres Vedras, a recolher provas para dar continuidade à investigação.
Nos dois dias da paralisação dos camionistas, a cujo protesto não aderiu, a empresa registou 12 vidros partidos e “dois ou três pneus furados”, em resultado de tentativas de bloqueio dos camiões.
A paralisação das transportadoras teve início às 00h00 de segunda-feira e terminou na noite de terça-feira, depois de um acordo alcançado entre o Governo e os representantes das associações ligadas ao sector.

http://www.diarioleiria.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=10285&Itemid=135

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Ter 29 Mar 2011 - 2:04 por BTBRAVO

Pombal
Camionistas negam ter atirado pedras

Confrontos em protesto

Os dois empresários que foram detidos pela GNR durante a greve dos transportadores, por apedrejamento de um camião cujo motorista não aderiu ao protesto, em Travasso, Pombal, negaram ontem em tribunal terem arremessado qualquer pedra. Disseram também não ter visto "ninguém" na posse de "objectos ou pedras"

Os depoimentos foram contrariados por um militar da GNR que declarou não ter "quaisquer dúvidas quanto à identidade dos arguidos". O militar estava no local quando ocorreu o apedrejamento que levou à detenção, em flagrante delito, dos dois suspeitos.

O tribunal requereu, para a próxima audiência, segunda-feira, a audição do condutor do camião apedrejado, tendo em vista o "esclarecimento cabal dos factos".

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/camionistas-negam-ter-atirado-pedras

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Ter 5 Abr 2011 - 2:42 por BTBRAVO

Ministério Público
Pedida condenação por apedrejamento de camião


O Ministério Público (MP) pediu esta segunda-feira a condenação de dois empresários suspeitos de terem apedrejado um camião em Travasso, Pombal, a 15 de Março, no segundo dia da paralisação nacional dos camionistas, enquanto a defesa reclamou a absolvição.

Nas alegações finais do julgamento sumário no Tribunal Judicial de Pombal, a procuradora-adjunta Rosa Moreira relevou o depoimento do militar da GNR Nuno Silva, a única pessoa a testemunhar que foram os arguidos, acusados de um crime de atentado à segurança de transporte rodoviário, que atiraram as pedras que atingiram um veículo pesado quando este circulava no itinerário complementar 2.

"[A testemunha] não teve dúvidas na identificação que fez, é um agente de autoridade, não tem qualquer interesse na causa", afirmou a magistrada, sublinhando que fez "um depoimento isento, rigoroso, de pormenor".

Para o MP, "não há dúvida de que os factos aconteceram como está no auto de notícia e no despacho de acusação", sustentando que "não está em causa o direito à manifestação ou à liberdade de expressão", mas "um atentado à segurança rodoviária" que "pôs em causa a vida e a integridade física do motorista" do camião apedrejado.

O advogado de defesa dos arguidos, Luís Simões, assinalou que "qualquer cidadão comum, seja ou não militar da GNR, (...) facilmente se engana", numa alusão ao número de pessoas presentes no local onde ocorreu o apedrejamento assim como à sua movimentação.

"Não me parece tão seguro que os autores dos arremessos fossem os arguidos aqui presentes", disse Luís Simões, que valorou o depoimento "isento e seguro" de quatro camionistas que estiveram no local e transmitiram ao tribunal "não terem visto ninguém com pedras nem com objectos nas mãos".

O advogado considerou ainda que "será mais fiável" o depoimento prestado pelo condutor do veículo pesado danificado, Manuel da Mota Mendes, a única pessoa a testemunhar esta segunda-feira.

O motorista, de 42 anos, da empresa Adelino Duarte da Mota, explicou que circulava devagar quando foi "parar um objecto ao vidro".

"Os estilhaços bateram-me na cabeça e pescoço, mas não me magoaram", contou Manuel da Mota Mendes, admitindo ter ficado "nervoso" e em "pânico".

Questionado pela procuradora-adjunta se reconhecia quem fez o arremesso, o motorista declarou: "Estava ali um amontoado de pessoal na berma, era muita gente, não reconheci ninguém".

Nas últimas declarações ao Tribunal, os arguidos, Manuel Gameiro e Joaquim Santos, reiteraram inocência.

A leitura da sentença foi marcada para as 12h00 de terça-feira.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/portugal/pedida-condenacao-por-apedrejamento-de-camiao

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Ter 5 Abr 2011 - 10:45 por micro_fz

O Tribunal Judicial de Pombal absolveu, esta terça-feira, os dois empresários suspeitos de terem apedrejado um camião em Travasso, Pombal, a 15 de Março, no segundo dia da paralisação nacional dos camionistas.

"São absolvidos não porque o tribunal tenha ficado convencido de que os senhores não terão actuado deste modo, mas também não ficou convencido do contrário. Na dúvida tem de decidir a vosso favor", afirmou a juíza Cristina Brites.

Os arguidos, de 48 e 49 anos, empresários do ramo dos transportes, residentes no concelho de Leiria, estavam acusados do crime de atentado à segurança rodoviária pelo alegado apedrejamento de um veículo pesado, propriedade da empresa Adelino Duarte da Mota, que circulava no itinerário complementar (IC) 2.

Na leitura da sentença, a juíza deu como provado que os arguidos encontravam-se junto ao IC2, num grupo de "15 a 20" pessoas, num "protesto organizado no âmbito da greve convocada pelos profissionais de camionagem".

Cristina Brites confirmou que o veículo pesado, quando passava no local, "foi atingido no pára-brisas por um objecto projectado pelo aglomerado de pessoas".

Com o impacto, o pára-brisas partiu-se, tendo estilhaços atingido o condutor "na cabeça e pescoço" sem provocar "quaisquer ferimentos ou lesões".

Além de não ter considerado provado que foram os arguidos que fizeram o arremesso, a magistrada judicial acrescentou que também não se provou que a situação "colocou em perigo a vida do condutor e, por isso, a segurança rodoviária".

Na valoração da prova o tribunal teve em conta as declarações dos arguidos, que revelaram que "a única actuação que encetaram foi a de gesticularem" para que o camião imobilizasse, assim como das testemunhas, incluindo o do motorista do veículo atingido.

A propósito do depoimento do militar da GNR Nuno Silva, o único a garantir na sala de audiências que foram os suspeitos que arremessaram duas pedras contra o camião, a magistrada judicial reconheceu que se tratou de um depoimento "convicto" e "inquestionável".

A juíza sustentou, contudo, que esta convicção "esbarra" no depoimento de outras pessoas: "Facilmente se depreende que estão em confronto duas versões distintas dos factos", observou.

Entendimento contrário tem o Ministério Público, que informou ir recorrer da decisão da primeira instância.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Policia/Interior.aspx?content_id=1823144

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Ter 5 Abr 2011 - 14:00 por rodazero

Medidas de apoio aos camionistas que incluem descontos na SCUT publicadas em DR

A resolução com as 12 medidas de apoio aos camionistas, acordadas com o Governo na sequência da paralisação de março e que incluem descontos no pagamento de portagens nas SCUT, foi publicada hoje em Diário da República.

As medidas foram acordadas a 15 de março entre o Governo e as três associações que representam os transportadores rodoviários de mercadorias - associações Nacional de Transportes Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) e dos Transportadores de Terras Inertes, Madeiras e Afins (ATTIMA) – e puseram fim à paralisação dos camionistas, que se prolongou por dois dias.

Segundo a resolução do conselho de ministros publicada hoje, está prevista a introdução de descontos no pagamento de portagens no âmbito das SCUT (vias sem custo para os utilizadores), “designadamente através da modulação horária, admitindo-se descontos de 10 por cento no período diurno e de 25 por cento no período noturno”.

As medidas contemplam uma subida da majoração para 140 por cento dos custos suportados com a aquisição de combustíveis para efeitos de IRC, através de uma proposta de lei que será remetida à Assembleia da República no prazo de 15 dias contados a partir de hoje.

Também dentro de 15 dias deverão ser constituídas duas comissões interministeriais, que terão de apresentar uma primeira versão dos seus trabalhos dentro de 30 dias e as conclusões em 90 dias.

Uma das comissões terá em vista a adoção de normas específicas para o setor do transporte público rodoviário de mercadorias, enquanto a outra terá como objetivo a criação de uma medida legislativa que aprove iniciativas relacionadas com o processo de fusão e de concentração de empresas do setor.

Dentro de 15 dias terá também de ser apresentada uma proposta de revisão da lei que estabelece o regime de sanções aplicável à violação das normas respeitantes aos tempos de condução, que incidirá sobre "o montante das coimas aplicáveis, a inexigibilidade de pagamento de caução e da imobilização do veículo e a eliminação da prestação de caução na pendência de um processo judicial".

As medidas contemplam a análise de “soluções de natureza não fiscal para minorar os impactos negativos dos sucessivos aumentos do preço do combustível” e a apresentação de duas alterações legislativas.

Uma das alterações destina-se a contemplar um regime de cancelamento temporário de matrícula, mediante a entrega dos documentos para os veículos que tenham sido aceites no âmbito do processo de incentivo ao abate previsto no PIDDAC [Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central]/2010 e cujos respetivos incentivos não tenham sido atribuídos ou se encontrem imobilizados por falta de serviço.

A outra alteração legislativa visa garantir que no final do período de cancelamento temporário de matrícula não há lugar à inspeção extraordinária dos veículos.

Será ainda apresentada uma proposta que contemple a isenção do pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC)para os veículos abrangidos pelo regime do cancelamento temporário de matrícula.

http://www.ionline.pt/conteudo/115327-medidas-apoio-aos-camionistas-que-incluem-descontos-na-scut-publicadas-em-dr

Voltar ao Topo Ir em baixo

avatar

Mensagem em Qua 6 Abr 2011 - 2:34 por BTBRAVO

Pombal - Empresários suspeitos de apedrejarem camião foram absolvidos

Tribunal não deu como provado que tenham sido os arguidos a arremessar as pedras

Pombal 97 fm / Local - O Tribunal de Pombal absolveu esta manhã os dois empresários suspeitos de terem apedrejado um camião, durante o segundo dia da paralização nacional das transportadoras.

Os factos remontam a 15 de Março e ocorreram no IC2 em Travasso, freguesia de Pombal, quando um camião da empresa Adelino Duarte da Mota foi atingido, pelo menos, por uma pedra que lhe partiu o pára-brisas. Na altura, os dois empresários agora julgados foram detidos pela GNR em flagrante delito, sendo identificados por um dos militares como os autores do apedrejamento.

No final da leitura da sentença, a juíza Cristina Brites afirmou que os arguidos eram absolvidos porque, após ponderar todos os testemunhos em sede de julgamento, restavam dúvidas sobre quem teria arremessado a pedra que partiu o vidro do camião. "Na dúvida, o Tribunal tem de decidir a vosso favor", declarou a juíza dirigindo-se aos arguidos.

O Tribunal deu como provado que a pedra foi lançada do aglomerado de pessoas que se manifestavam junto ao IC2, e onde se encontravam os arguidos, mas teve em conta o depoimento dos empresários e das quatro testemunhas apresentadas pela defesa, que refutavam as acusações. Também valorizado foi o depoimento do militar da GNR, Nuno Silva, que, no dia 15 de Março, e depois na sala de audiências, identificou os arguidos como autores do crime de atentado contra a segurança rodoviária.

A juíza considerou o testemunho como isento. Contudo, realçou algumas discrepâncias entre este e o do outro militar que acompanhava Nuno Silva no momento da detenção. Cristina Brites não deu como provado que a vida do condutor e a segurança rodoviária tenham estado em perigo, uma vez que o camião circulava a uma velocidade muito reduzida.

No final da sessão, o advogado de defesa, Luís Simões, mostrou-se satisfeito e disse que "foi feita justiça". Já o Ministério Público informou que vai recorrer da sentença.

http://pombal97.com/index.php?lang=pt&post=1022

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mensagem  por Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 3 Anterior  1, 2, 3

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum