BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Agosto 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Maiores de 65 anos com 65 por cento de chumbos na condução

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

12122010

Mensagem 

Maiores de 65 anos com 65 por cento de chumbos na condução




Chegar aos 65 anos não obriga automaticamente a fazer os testes psicológicos, mas dúvidas sobre idade ou álcool podem obrigar à sua realização.
Nos testes psicológicos para renovação da carta de condução feitos pelo Laboratório de Psicologia do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres (IMTT) e destinados a candidatos com problemas físicos, psicológicos ou mentais, regista-se uma taxa de reprovação superior a 65 por cento em pessoas com mais de 65 anos, segundo dados revelados ao PÚBLICO pelo próprio IMTT.

O Laboratório de Psicologia do IMTT (ex-Direcção-Geral de Viação) já fez cerca de 10 mil testes. Entre 1999 e 2009, a taxa de reprovação total foi de 24,8 por cento. Em 38,4 por cento dos 2480 "chumbos", o laboratório impôs ou sugeriu restrições e/ou adaptações à condução.

Um português condutor ou candidato a condutor pode ser obrigado a fazer este teste psicológico. A sua realização é determinada por um delegado de saúde ou junta médica, pelos tribunais e ainda por "autoridade competente", quando se verifiquem "dúvidas sobre a aptidão física, mental ou psicológica" de um condutor para conduzir "em segurança".

Os 65 anos de idade não obrigam a fazer testes psicológicos, bastando apenas um atestado médico nas idades previstas para renovação. As razões que podem conduzir à obrigatoriedade de fazer um exame psicológico no IMTT são muito diversas e incluem, sobretudo, dúvidas relacionadas com idade avançada, doenças físicas ou mentais, défices físicos ou intelectuais, comportamentos de dependência (álcool ou estupefacientes), contra-ordenações, crimes rodoviários e envolvimento em acidentes.

Independentemente da idade ou condução física ou psicológica, há condutores que têm de fazer sempre testes para obter a carta ou renovar o título de que já dispõem. Neste caso, os testes são feitos por laboratórios privados e destinam-se, grosso modo, a candidatos condutores de pesados. O mesmo é válido para quem tem carta de ligeiros mas conduz ambulâncias, veículos de bombeiros, de transporte de doentes, transporte escolar e táxis. No caso dos pesados, os testes são feitos a partir dos 40 anos de idade, de cinco em cinco anos, aos 68 e, depois, de dois em dois anos.

Para lá dos casos referidos, e conforme um responsável do IMTT, Portugal não tenciona alargar os testes psicológicos aos restantes encartados. Segundo dados do instituto, considerando apenas os condutores de pesados, realizam-se cerca de 90 mil testes psicológicos por ano. A este nível, desconhece-se "a taxa de reprovações, embora se estime que não seja elevada".

Regulamento dos centros de avaliação ainda em preparação

No início deste ano, o presidente do IMTT, Crisóstomo Teixeira, disse que os Centros de Avaliação Médica e Psicológica (CAMP) entrariam em funcionamento no primeiro trimestre do próximo ano. Os CAMP destinam-se a substituir os laboratórios de Psicologia privados e está prevista a instalação de um por distrito. Mas segundo a informação escrita fornecida há poucos dias ao PÚBLICO pelo IMTT, percebe-se que o prazo do primeiro trimestre de 2011 dificilmente será cumprido. "Está em preparação" a regulamentação que, "entre outras matérias, estabelecerá as bases da futura atribuição da exploração dos CAMP a entidades privadas e os requisitos" que os mesmos devem observar, quanto a médicos e psicólogos, instalações e equipamentos.

Até à entrada em funcionamento dos centros, a avaliação continua a ser efectuada "nos moldes actuais", pode ler-se no documento.

Ainda no início deste ano, a criação dos CAMP foi saudada pelo bastonário da Ordem dos Médicos, Pedro Nunes: a medida, entende, retira aos médicos de família "o ónus de terem de passar atestados de competência de condução aos próprios doentes".

http://www.publico.pt/Sociedade/maiores-de-65-anos-com-65-por-cento-de-chumbos-na-conducao_1470566
avatar
robert langdon
FURRIEL
 FURRIEL

PAÍS :
IDADE : 41
MENSAGENS : 343
LOCALIZAÇÃO : portugal
EMPREGO : Criptógrafo
INSCRIÇÃO : 26/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum