BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Julho 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Grupos de jovens atiram pedras aos condutores

Ir em baixo

12112010

Mensagem 

Grupos de jovens atiram pedras aos condutores




Usam pontes de madeira do Parque da Pasteleira para atingir veículos e já fizeram, pelo menos, um ferido


Há dias e noites em que chovem pedras das três pontes de madeira do Parque da Pasteleira, no Porto. Grupos de jovens estão a usar as travessias para fazer tiro ao alvo aos carros e às motas que cruzam a Rua de Afonso de Paiva. Uma via de intenso tráfego diário.

Diariamente, dezenas de viaturas atravessam aquele arruamento. Desaguam da apinhada Rua de Diogo Botelho e seguem rumo às zonas da Boavista e da Foz. O percurso é cumprido de forma despreocupada sem noção do perigo que, por vezes, se esconde do alto das três pontes de madeira.

Não acontece sempre à mesma hora nem todos os dias, mas já causou estragos em várias viaturas e feriu, pelo menos, uma pessoa.

Miguel Costa recorda-se bem do dia em que foi atingido por um bloco de cimento com um quilo no capacete e no ombro, quando conduzia a sua Vespa na Rua de Afonso de Paiva. Foi numa segunda-feira à noite, pouco depois das 22 horas, há cerca de um mês. Então, regressava de um treino de râguebi no Estádio Universitário.

Já tinha ouvido relatos de amigos e de conhecidos que conseguiram escapar às pedras arremessadas, mas nunca pensou que iria ser um dos atingidos.

"Ia buscar uns documentos a casa dos meus pais, antes de jantar. Quando passava por baixo de uma das pontes, levei uma pedrada e fiquei zonzo. Nesse dia, estava de mota. O que me salvou foi estar com um bom capacete, que ficou completamente estragado", conta Miguel Costa, profissional de Educação Física.

A resistência de atleta, em especial a experiência de râguebi, foi-lhe útil, pois conseguiu aguentar o impacto sem cair.

"Quando levei com o bloco, fiquei um pouco perdido. Ia encostar a mota, mas vi quatro rapazes entre os 15 e os 18 anos a saltar o muro" do parque da Pasteleira, continua. Instintivamente, acelerou e só parou a vespa à porta da casa dos pais: "A conclusão que tiro é que viriam para me assaltar".

O bloco de cimento, com "um palmo de comprimento e cerca de um quilo", ficou tombado entre os pés na scooter e o capacete destruído. Apesar da forte dor no ombro, Miguel não quis receber tratamento hospitalar. Seguiu directo para casa, pediu ajuda à irmã que é médica e confessa que ainda hoje sente desconforto quando faz alguns movimentos.

No entanto, a viver com os "minutos contados" desdobrando-se entre os treinos de râguebi e o trabalho no ginásio, não chegou a apresentar queixa na Polícia.

O Comando da PSP do Porto reforçou o patrulhamento na zona desde que recebeu a queixa de um condutor que ficou com o pára-brisas estilhaçado, mas não possui registo de outros caso. Por isso, apela à participação de todas as ocorrências.

A verdade é que muitas pessoas acabam por não reportar as situações às autoridades policiais. Pois, para alguns, o arremesso das pedras não passou de um susto sem consequências materiais ou físicas.

Arlen Dimas viveu essa experiência na tarde do passado dia 26, a caminho do trabalho. O "pedregulho com um quilo e meio" caiu, repentinamente, da terceira ponte de madeira para a Rua de Afonso de Paiva.

"Por acaso, estava a olhar para a ponte naquela altura e consegui guinar o carro, caso contrário acertava no capô. A minha sorte é que não vinham carros à minha direita", conta Arlen Dimas, que abrandou a marcha e viu jovens de mochilas às costas no topo da travessia.

Desconhece-se se o propósito é o roubo ou o vandalismo. Quem reside na zona, garante que os jovens esperam que os polícias virem as costas para subir às pontes do Parque da Pasteleira.
http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Porto&Concelho=Porto&Option=Interior&content_id=1708637
avatar
robert langdon
FURRIEL
 FURRIEL

PAÍS :
IDADE : 41
MENSAGENS : 343
LOCALIZAÇÃO : portugal
EMPREGO : Criptógrafo
INSCRIÇÃO : 26/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum