BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Junho 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930 

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Greve geral ameaça fechar Parlamento

Ir em baixo

23102010

Mensagem 

Greve geral ameaça fechar Parlamento




Funcionários parlamentares vão reunir-se dia 4 de Novembro para decidir se aderem à greve geral ou não. São também abrangidos pelos cortes de vencimentos e, além do mais, está ainda por resolver o que os levou a paralisar em Abril. Nessa altura, o Parlamento parou.

O Parlamento poderá juntar-se à greve geral convocada para 24 de Novembro pelas duas centrais sindicais. No próximo dia 4, os funcionários parlamentares reunir- -se-ão em assembleia geral. Ponto principal na agenda: decidir se paralisam ou não.

Decidindo-se pelo sim, será a segunda greve dos funcionários da Assembleia da República este ano. A primeira foi em 28 de Abril e mobilizou, segundo o Sindicato dos Funcionários Parlamentares, mais de 90% dos convocados.

Na prática, a greve paralisou o Parlamento. Não houve reuniões políticas (plenário, comissões). Uma audiência a Pacheco de Melo (chefe financeiro da PT) na comissão parlamentar de inquéri- to ao caso PT/TVI teve de ser adiada. Mas os problemas que levaram os funcionários a entrar nessa altura em greve não foram resolvidos.

João Nuno Amaral, presidente do sindicato, disse ontem ao DN que a ponderação sobre a adesão à greve geral terá em conta o que levou à sua convocação pelas duas centrais sindicais (o pacote de austeridade, nomeadamente os cortes nos vencimentos dos funcionário do Estado, que irão abranger os funcionários da AR). Mas também, é claro, os seus problemas específicos, prevendo o dirigente sindical que o caminho deverá mesmo ser o da greve.

O que está em causa é o regi- me de vinculação dos funcionários da Assembleia. Há muito que ouvem promessas de que lhes será formalizada por lei a catego- ria de "nomeados", acabando-se com a categoria de "contratados".

A diferença é substantiva. Com um "contratado", o despedimento é facilitado, mesmo que seja apenas por vontade da entidade patronal; com os "nomeados", não. O contrato só cessa, em termos gerais, se houve acordo entre as duas partes. Vários funções no aparelho do Estado têm o estatuto de nomeados (diplomatas, funcionários do SEF, só para dar dois exemplos) e os funcionários parlamentares querem também ter.

Em Abril estiveram quase a ver o seu problema resolvido, com um acordo unanime no Conselho de Administração da AR. Mas à última hora, o PS (por directiva de Teixeira dos Santos) inviabilizou-o, no que foi seguido pelo PSD. A discussão entretanto paralisou. A greve volta a estar no horizonte.

http://dn.sapo.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=1693181
avatar
robert langdon
FURRIEL
 FURRIEL

PAÍS :
IDADE : 41
MENSAGENS : 343
LOCALIZAÇÃO : portugal
EMPREGO : Criptógrafo
INSCRIÇÃO : 26/03/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum