BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Fevereiro 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
   1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728    

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Defesa "Negociatas mal explicadas" nas contrapartidas

Ir em baixo

12092010

Mensagem 

Defesa "Negociatas mal explicadas" nas contrapartidas






General afirma que a modernização militar deve dissociar-se desses projectos


Os novos armamentos e equipamentos para as Forças Armadas são uma "necessidade nacional", que "não podem estar sujeitos a negociatas de contrapartidas mal explicadas e que afectam a credibilidade nacional", afirmou o general Espírito Santo.

O ex-chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas e agora director da Revista Militar intervinha num seminário sobre a NATO e o seu novo conceito estratégico - a aprovar na Cimeira de Lisboa, no próximo mês de Novembro - que se realizou, sexta- -feira, no Instituto de Defesa Nacional, em parceria com o Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI).

Assinalando o contributo que a presença das Forças Armadas no exterior têm dado para "o prestígio" de Portugal e para a melhoria das suas capacidades militares, o general Espírito Santo advogou a sua continuação. "Mas para isso algumas mudanças são necessárias", referiu, nomeadamente nas relações civis-militares, que estão a entrar na sua "terceira fase".

"Algo terá de ser melhorado para o prestígio da instituição militar e sua maior ligação à Nação (...). Alguma inovação tem de ser encontrada" para se obterem "os recursos humanos necessários ao funcionamento e operacionalidade das Forças Armadas", sublinhou o general Espírito Santo, acrescentando: "Temos de encontrar forma de dispor atempadamente de capacidades militares que vamos perdendo por falta de regeneração de armamentos e equipamentos, que são necessidade nacional e por isso não podem estar sujeitos a negociatas de contrapartidas mal explicadas e que afectam a credibilidade nacional."
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1660564



focazero@hotmail.com
SOMOS A SOLUÇÃO NÃO O PROBLEMA = BT ATÉ MORRER
avatar
focazero
GENERAL
 GENERAL

PAÍS :
MENSAGENS : 521
LOCALIZAÇÃO : Portugal
INSCRIÇÃO : 21/04/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

Defesa "Negociatas mal explicadas" nas contrapartidas :: Comentários

avatar

Mensagem em Dom 12 Set 2010 - 7:24 por robert langdon

"Algo terá de ser melhorado para o prestígio da instituição militar e sua maior ligação à Nação
Clarissimo está o prestigio dos Generais na GNR, em primeiro lugar pelo rombo no orçamento desta, e pelos seus direitos feudais.

É uma vergonha estes mestres da doutrina Militar onde advogam o espirito do umbigo estarem na nossa chefia.

Existem praças com cursos superiores (direito, psicologia e sociologia)com maior capacidade, nomeadamente humana para lidar e chefiar a nossas ocorrências diarias.

Neste caso nós os brigadeiros somos um exemplo cabal de luta contra este poder senhorial....................................

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum