BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Novembro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
  12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930   

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




40 voos diários combateram fogos durante fase mais crítica

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

06092010

Mensagem 

40 voos diários combateram fogos durante fase mais crítica




Em pouco mais de dois meses, os militares fizeram 2710 intervenções de helicóptero logo nos primeiros minutos dos incêndios.

O sucesso no combate aos fogos define-se em 90 minutos. É neste tempo que os militares da GNR devem, através de meios aéreos e terrestres, dominar as chamas num incêndio. De 1 de Julho a 5 de Setembro, o Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro da GNR (GIPS) fez 2710 intervenções de helicóptero - uma média de 40 voos por dia. Só 161 foram consideradas sem sucesso.

"O primeiro ataque é fundamental para que as chamas não propaguem", explica ao DN o tenente-coronel António Paixão, comandante do GIPS, o grupo de militares que intervém essencialmente na primeira fase dos fogos.

O grupo tem sob sua competência onze distritos do País, os restantes são de responsabilidade dos bombeiros canarinhos. Sempre que as torres de vigia ou um qualquer particular alerta o Centro Distrital de Operações de Socorro para um fogo, há ordem para descolar um meio aéreo para o local. "A primeira intervenção cabe aos helicópteros de ataque inicial. São consideradas sem sucesso todas as intervenções em que o fogo não foi combatido em 90 minutos", explica o oficial.

São ainda enviados meios por via terrestre de forma a impedir que as chamas se alastrem. De acordo com os dados a que o DN teve acesso, desde o início de Julho foram feitas 2100 acções por terra. Nestas patrulhas houve 564 incêndios a somar aos 2710 fogos.

No último mês, o GIPS tem sido alvo de críticas por bombeiros e populares que se queixam de falta de visibilidade dos militares. Mas o tenente-coronel defende-se. "O GIPS muitas vezes não é visto porque está empenhado, com outros agentes de protecção civil, no combate inicial e ampliado nas frentes dos teatros de operações", refere.

Entre os dados já reunidos por esta força, constam ainda 1566 saídas de helicópteros para missões que não vieram a concretizar-se: em 819 casos, quando o helicóptero chegou ao local, já o fogo estava extinto; 416 missões foram abortadas por se concluir que não havia necessidade de um meio aéreo; 308 missões revelaram ter havido falso alarme (ou engano no local ou simples brincadeira) e 21 missões foram apenas de reconhecimento.

Nos meses mais quentes do ano, e quando o número de fogos começa a diminuir no País, o comandante elegeu como mais difícil o combate às chamas que durante duas semanas lavraram na serra do Gerês. Foram três dias ininterruptos de combate ao fogo que pôs em perigo a população do Soajo, em Arcos de Valdevez, e que chegou à mata do Cabril.

"Foi complicado. O terreno é difícil e havia o risco de as chamas chegarem a Albergaria, onde se encontram espécies únicas", refere.

No combate às chamas estiveram três secções do GIPS e 25 militares da Unidade de Segurança e Honras de Estado da GNR, que receberam formação de última hora para reforçar o contingente. Estiveram ainda bombeiros de Ponte da Barca, sapadores florestais do parque e militares do exército numa acção em que chegaram a existir momentos de perigo para os combatentes. O serviço foi reconhecido e elogiado pelo Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade.

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/Interior.aspx?content_id=1656678






SOMOS POUCOS, NUNCA FOMOS MUITOS, MAS QUANDO SOUBERMOS SER TODOS, SEREMOS BASTANTES.
avatar
COMANDANTE GERAL
FOCABRAVO
FOCABRAVO

PAÍS :
MENSAGENS : 5344
LOCALIZAÇÃO : PORTUGAL
EMPREGO : BT PARA SEMPRE
INSCRIÇÃO : 26/01/2009

http://brigadatransito.livreforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: BookmarksDiggRedditDel.icio.usGoogleLiveSlashdotNetscapeTechnoratiStumbleUponNewsvineFurlYahoo!Smarking

40 voos diários combateram fogos durante fase mais crítica :: Comentários

avatar

Mensagem em Ter 7 Set 2010 - 3:06 por Metralha

A minha opinião é que os Helicopeteros / aviões podem em parte ser uns dos causadores de tanto fogo posto.

Existem muitos interesses politico / economicos por tras de tudo isto.

O aluguer de um Helicopetero destes segundo sei aproxima-se de 1500 € / hora e os dos aviões 3.000 € / hora

Agora é só fazer contas.....

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum