BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Maio 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




Estado condenado por lei ilegal aprovada no Parlamento

Ir em baixo

07052010

Mensagem 

Estado condenado por lei ilegal aprovada no Parlamento




Estado condenado por lei ilegal aprovada no Parlamento
7.05.2010 - 08:34

É inédito em Portugal, mas o Tribunal Constitucional (TC) confirmou há dias a condenação do Estado pela aprovação de uma lei ilegal na Assembleia da República.

Trata-se da decisão que levou à criação do concelho da Trofa (Lei 83), aprovada em 19 de Novembro de 1998 com os votos a favor de toda a oposição (PSD/CSD/PCP-PEV) e contra da bancada do PS, que na altura apoiava o Governo minoritário de António Guterres.

O processo foi desencadeado pela Câmara de Santo Tirso, que o Estado terá que indemnizar em cerca de seis milhões de euros. Isto, porque com a diminuição do território e respectivas funções ficou com um quadro de pessoal sobredimensionado e consequentes despesas. Neste aspecto, a decisão do TC veio confirmar na íntegra as anteriores sentenças dos tribunais de Santo Tirso, da Relação e Supremo, sucessivamente. A autarquia reclamava também pela perda de receitas, de terrenos e de diversos equipamentos, argumentos que não foram acolhidos pelos juízes.

A ilegalidade radica no facto de a lei que criou o concelho da Trofa ter sido aprovada sem definir os seus limites territoriais, bem como os bens, direitos e obrigações a transferir, tal como impõe a Lei-Quadro de Criação de Municípios (Lei 142/985). Era também necessário que os deputados tivessem enunciado critérios precisos para a afectação e imputação ao novo município de direitos e obrigações, questões que mais de 11 anos depois estão ainda por resolver.

O problema era o calendário político, que não era compatível com a demora de tais procedimentos, já que os partidos da oposição queriam rapidamente cumprir a promessa de criação do novo município. A solução foi avançar com a lei prescindindo de todos os prazos, tendo sido mesmo votada na generalidade e na especialidade no mesmo dia, quando no caso anterior da criação do concelho de Vizela tinham decorrido seis meses entre as duas aprovações.

A votação deu até origem a uma inédita convergência entre os comunistas e o bloco PSD/CDS, o que levou à aprovação, no mesmo dia e nas mesmas condições, do concelho de Odivelas. O PCP perspectivava a conquista de mais uma autarquia, enquanto na Trofa, um habitual bastião social-democrata, o PSD via a possibilidade de chegar ao controlo dos órgãos da Junta Metropolitana do Porto, tal como veio a confirmar-se. Apesar dos votos contra do PS, ambos os municípios são hoje dominados pelos socialistas.

Responsabilizar deputados?

Foi o CDS a apresentar o projecto de lei para a criação do concelho da Trofa, mas o facto de não cumprir os requisitos da lei-quadro logo suscitou reservas. Almeida Santos, então presidente da AR, lavrou um despacho alertando os deputados para a possibilidade de o projecto estar ferido de ilegalidade. Também o Presidente da República, Jorge Sampaio, remeteu ao Parlamento uma mensagem vincando o carácter reforçado da Lei-Quadro da Criação de Municípios.

Foi mesmo tendo em conta estes avisos que um parecer junto ao processo defendia que os deputados que aprovaram a lei deveriam ser financeiramente responsabilizados. O parecer é da autoria de Mário Aroso de Almeida, um professor tido como um dos mais credenciados especialistas em direito administrativo.

A decisão agora tomada pelo Tribunal Constitucional foi votada pelos cinco juízes do colectivo, tendo Maria Lúcia Amaral apresentado declaração de voto defendendo tratar-se de questão que deveria em primeira instância ser colocada ao TC: "O tema é a censura do legislador, e uma censura que, no seu significado constitucional e jurídico-político, ganha contornos de gravidade ou de intensidade que não são compartilhados pelos juízos de inconstitucionalidade de normas."
http://www.publico.pt/Sociedade/estado-condenado-por-lei-ilegal-aprovada-no-parlamento_1435945


avatar
BTBRAVO
2º COMANDANTE
 2º COMANDANTE

PAÍS :
MENSAGENS : 6247
LOCALIZAÇÃO : Lisboa
EMPREGO : BRIGADA DE TRÂNSITO
INSCRIÇÃO : 05/02/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum