BRIGADA DE TRÂNSITO

PAINEL DO USUÁRIO
Convidado
Mensagens: 0


Alterar
Ver
Tópicos e mensagens

TRÂNSITO
LINKS RÁPIDOS

 



 
     
-
 
Votação

LIMITE VELOCIDADE NA AUTO ESTRADA

48% 48% [ 172 ]
52% 52% [ 185 ]

Total dos votos : 357

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Maio 2018
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

POSTO VIRTUAL

 




PCP propõe que GNR «evolua» para força civil

Ir em baixo

04052012

Mensagem 

PCP propõe que GNR «evolua» para força civil




Comunistas pretendem ainda que seja extinto cargo de secretário-geral de Segurança Interna

O PCP apresentou esta quinta-feira um projeto para uma Lei de Segurança Interna que prevê a extinção do cargo de secretário-geral de Segurança Interna e que a GNR abandone a sua natureza militar, «evoluindo» para um estatuto de força civil.

Segundo a Lusa, no projeto de lei hoje entregue na Assembleia da República, os comunistas consideram que a lei de Segurança Interna em vigor, aprovada em 2008, instituiu um «aparelho burocrático e securitário» que envolve, além de diversos membros do Governo, um secretário-geral e um secretário-geral adjunto de Segurança Interna, gabinetes coordenadores regionais e distritais e uma unidade coordenadora de combate ao terrorismo, além do Conselho Superior de Segurança Interna e do Gabinete Coordenador de Segurança.

«Ou seja, há multiplicidade de órgãos e de estruturas de topo que, do nosso ponto de vista, não são só dispensáveis como disfuncionais», explicou o deputado António Filipe, em conferência de imprensa no Parlamento.

Para o PCP, ao mesmo tempo que há este «superaparelho de segurança», os «polícias têm cada vez maior dificuldade em ter meios para combater a criminalidade».

É neste contexto que os comunistas propõem a extinção dos cargos de secretário-geral e secretário-geral adjunto de Segurança Interna, dos gabinetes coordenadores de segurança regionais e distritais e da unidade coordenadora de combate ao terrorismo, argumentando que seria uma forma de ¿poupar¿ recursos que poderiam ser usados par dar mais meios e equipamentos às polícias.

¿Entendemos que a coordenação superior deve ser feita a nível interministerial, através do Conselho Superior de Segurança Interna, que se deve manter, como se deve manter o Gabinete Coordenador de Segurança¿, esclareceu António Filipe, que lembrou que o PCP sempre criticou a figura do secretário-geral de segurança, que concentra, de forma "inédita", uma "exorbitância de poderes", não sendo "por acaso que é chamado de superpolícia".

Outra das propostas do PCP é que a lei estabeleça «uma separação clara» entre «as funções da segurança interna, que compete às forças e serviços de segurança, e a defesa da República, que compete às Forças Armadas».

«Daqui decorre, no nosso entendimento, que as forças e serviços de segurança devem ter natureza civil. E daí que se deve evoluir para que as forças de segurança que ainda têm estatuto militar, a GNR e a Política Marítima, evoluam para um estatuto de forças de segurança de natureza civil», afirmou o deputado.

«O que se questiona é a adoção acrítica da doutrina de segurança nacional de inspiração (ou de imposição?) norte-americana na sequência dos atentados de 11 de setembro de 2001, segundo a qual não deverá haver qualquer separação entre a segurança interna e a Defesa Nacional», lê-se no preâmbulo do projeto hoje entregue pelo PCP.

O PCP propõe ainda que «as grandes opções da política de segurança interna» devem «constar de um diploma discutido e aprovado na Assembleia da República» e que na sua «concretização deve assumir um papel decisivo a aprovação da Lei de Programação de Instalações e Equipamentos das Forças e Serviços de Segurança, de natureza plurianual», que deve ser também submetida à apreciação dos deputados.

O projeto do PCP estabelece ainda que «o elenco das forças e serviços de segurança» integra PSP, GNR, PJ, SEF, Polícia Marítima, os órgãos da Autoridade Aeronáutica, ASAE e Corpo da Guarda Prisional.

Os comunistas defendem também que devem ser definidos os direitos dos profissionais destas forças e serviços. E tendo em conta que devem ter natureza civil, o PCP sublinha que «não devem ser privados do exercício de direitos de natureza sindical e socioprofissional».

http://www.tvi24.iol.pt/politica/pcp-gnr-seguranca-interna-tvi24/1345575-4072.html


avatar
BRIOSA BT
ADJUNTO DO COMANDANTE
 ADJUNTO DO COMANDANTE

PAÍS :
MENSAGENS : 1277
LOCALIZAÇÃO : Lisboa
INSCRIÇÃO : 04/01/2010

Voltar ao Topo Ir em baixo

Compartilhar este artigo em: diggdeliciousredditstumbleuponslashdotyahoogooglelive

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum